Terça-feira, Setembro 05, 2006

Segurança pública, Anistia Internacional e eleições

Transcrevo carta aberta da Anistia Internacional aos candidatos à Presidência e a governador. Meu entendimento é de que a carta nos mostra o retrato fiel da realidade que vivemos no País. Alguém precisava tornar público. Vejo muito radicalismo paternalista na defesa dos direitos humanos. Não só os encarcerados vivem atentados aos direitos humanos, mas principalmente a população em geral. Alguma providência há que ser tomada.

"No momento em que se aproximam as eleições de outubro de 2006, a Anistia Internacional se dirige a Vossas Excelências, candidatos à Presidência e aos governos estaduais, com o objetivo de reforçar a tradição de manter uma comunicação aberta e, ao mesmo tempo, entabular um diálogo positivo com os futuros governos. Aproveitamos ainda esta oportunidade para, juntamente com esta carta, apresentar-lhes um breve DVD com a mensagem da organização aos candidatos a cargos executivos nestas eleições.

A Anistia Internacional sempre conferiu um grande valor ao diálogo construtivo que mantém com os governos federal e estaduais do Brasil. A oportunidade de apresentar preocupações, casos e recomendações e de receber, ao mesmo tempo, propostas, posições e a visão do governo a respeito da situação dos direitos humanos é de imensa importância para a organização.

Durante as três últimas décadas, a Anistia Internacional --organização de ampla base social com cerca de 2 milhões de membros-- tem acompanhado de perto a situação dos direitos humanos no Brasil. No passado, a organização concentrou-se sobre casos específicos de violações dos direitos humanos, tais como a tortura e as execuções extrajudiciais, bem como em campanhas pela libertação de prisioneiros de consciência. Hoje, a Anistia Internacional começa a mirar as causas dessas violações, analisando, por exemplo, como a pobreza, a discriminação e a negligência do Estado criam ambientes em que os abusos de direitos humanos tornam-se banais.

Em 2003, estando à frente de uma delegação da Anistia Internacional que visitou o Brasil, conversei com representantes políticos federais e estaduais, vítimas de abusos de direitos humanos e policiais que sofreram ataques criminosos. A mensagem foi alta e clara. Todos os brasileiros --dos bairros afluentes e das favelas-- estão vivendo com medo, sem contar com a proteção que deveria advir do processo democrático.

Nas áreas de classe média, porém, além de haver maior presença da polícia, os condomínios são cercados por grades fortificadas e protegidos 24 horas por seguranças particulares. Em contraste, as comunidades carentes, abandonadas pelo Estado e sem dispor de recursos próprios, estão presas em um ciclo de violência. As periferias urbanas, marginalizadas e abandonadas, tornaram-se territórios sem lei controlados por grupos criminosos. A polícia, mal remunerada, mal treinada e mal equipada, é enviada a estes locais para lidar com os
sintomas da negligência do Estado. Os policiais, em conseqüência, acabam sendo tanto causadores quanto vítimas da violência.

Políticos de todos os partidos e níveis de governo me garantiram que a segurança pública era uma questão prioritária e que eles fariam o possível para implementar estratégias de longo prazo voltadas a coibir a violência praticada tanto pelos criminosos quanto pela polícia.

Desde então, uma série de acontecimentos de grande publicidade veio enfatizar o fracasso no cumprimento dessas promessas. Em março de 2005, 29 pessoas foram mortas a tiros na Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro, por policiais militares fora de serviço, no que foi o maior massacre ocorrido na cidade até hoje. Um ano depois, a segurança pública voltava a ser destaque nos meios de comunicação quando o Exército saiu às ruas do Rio de Janeiro para realizar uma tarefa para a qual não estava nem preparado nem autorizado legalmente --uma medida reativa de curto prazo que há anos vem caracterizando as políticas de segurança pública. Em maio de 2006, os ataques do grupo conhecido como Primeiro Comando da Capital (PCC) paralisaram São Paulo, causando a morte de um grande número de brasileiros: agentes responsáveis pelo cumprimento da lei, supostos integrantes de gangues criminosas e outros cidadãos. Novos ataques continuam a atingir São Paulo, fazendo com que seus moradores vivam num estado de medo constante.

Como é do conhecimento de Vossas Excelências, apesar desses acontecimentos serem chocantes, a violência criminal e policial não é um fenômeno novo nas cidades brasileiras. O número total de mortes violentas tem subido a cada ano desde a década de 80, ultrapassando os 40 mil em 2004. O número de pessoas mortas pela polícia em situações registradas oficialmente como "resistência seguida de morte" permanece elevado em todo o Brasil, principalmente nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo. Fora destes estados, uma delegação da Anistia Internacional que recentemente visitou o país foi informada do ressurgimento de atividade de grupos de extermínio na Bahia, em Sergipe e Pernambuco.

Em um relatório sobre segurança pública lançado em São Paulo, em dezembro de 2005*, e em campanhas posteriores sobre este tema, a Anistia Internacional enfatizou que a violência e a exclusão social são dois lados da mesma moeda. A política de contenção da violência aplicada dentro das favelas brasileiras não é apenas flagrantemente injusta, como também é evidente que não está funcionando. Uma segurança verdadeira e efetiva não será alcançada enquanto os direitos de alguns forem defendidos à custa dos direitos de outros.

A Anistia Internacional reconhece a complexidade e a dimensão das dificuldades sociais e econômicas que o Brasil vem enfrentando nos últimos anos, especialmente com relação ao aumento dos crimes violentos. Além disso, a organização também está ciente da posição extremamente difícil que se encontra a polícia, tendo de lidar com a crescente violência criminal em lugares nos quais, muitas vezes, são os únicos representantes do Estado. Durante os recentes episódios de violência provocados pelo PCC em São Paulo, a Anistia Internacional condenou publicamente os ataques dirigidos à polícia, instando, ao mesmo tempo, os policiais a reagirem estritamente dentro da lei.

Porém, a Anistia Internacional tem também enfatizado repetidamente que o Brasil enfrenta graves problemas institucionais mais amplos que permeiam todo o sistema de justiça criminal. O sistema prisional, superlotado e sem recursos, está reforçando a cultura de gangues com sua política de exigir que os internos tenham de escolher uma facção ao entrar. A corrupção na polícia e na política cria um ambiente sem lei onde o crime organizado floresce. Acima de tudo, porém, a postura discriminatória do Estado brasileiro frente às suas comunidades mais vulneráveis acaba por criminalizar a pobreza.

Está na hora de todas as esferas de governo do Brasil --federal, estadual e municipal-- enfrentarem as causas dos problemas crônicos de segurança pública que tem o país. É somente através de ações coordenadas que comecem a tratar da falta de serviços básicos nas comunidades carentes, seja de saúde, educação, saneamento ou habitação, que o Estado começará a recuperar estas áreas. Só então uma força policial reformada estará em condições de garantir a segurança de todos os cidadãos brasileiros, sejam eles ricos ou pobres.

A Anistia Internacional pede a Vossas Excelências, na condição de candidatos e potenciais detentores de cargos, que apresentem uma política de segurança pública de longo prazo, estruturada e financiada adequadamente. Mais especificamente, a Anistia Internacional pede que o próximo governo crie e implemente um abrangente Plano de Ação Nacional para reduzir a violência, que inclua três elementos básicos:

A introdução de um policiamento baseado nos direitos humanos, assegurando que os policiais possam realizar seu trabalho de modo eficiente e seguro; introduzindo um Código de Ética estatutário, com base nas normas internacionais e aplicável a todas as forças policiais; e investindo em um policiamento baseado em direitos humanos.

Um programa para reduzir radicalmente os homicídios policiais, oferecendo à polícia novas oportunidades de treinamento para o uso legítimo da força; promovendo o Código de Conduta da ONU para os Funcionários Responsáveis pela Aplicação da Lei; e introduzindo mecanismos de supervisão e investigação externos.

Reforço do compromisso de controlar as armas, apoiando os esforços para a criação de um Tratado sobre o Comércio de Armas (TCA); intensificando o combate ao tráfico de armas; e recolhendo e destruindo as armas ilegais e excedentes que poderiam contribuir para violações dos direitos humanos internacionais.

A Anistia Internacional exorta ainda Vossas Excelências a incentivarem um debate transparente sobre a questão da segurança pública, em todos os níveis de governo e com a sociedade civil, visando a adoção de medidas concretas para reduzir os níveis de violência nas cidades brasileiras.

Por fim, a Anistia Internacional espera que todos os candidatos e os futuros governos se disponham a aceitar o convite para se engajar com a Anistia Internacional, bem como outras organizações de direitos humanos, em um diálogo aberto que permita prosseguir com o debate acerca dessas questões da maior urgência e importância.

Atenciosamente,

Irene Khan
Secretária-Geral
Anistia Internacional"

* "Eles entram atirando: policiamento de comunidades socialmente excluídas no Brasil" (AMR 19/025/2005). Veja: http://web.amnesty.org/library/Index/ENGAMR190252005

 
 

1 Comments:

  • Olá pessoal,meu nome é Sérgio Luiz,tenho 52 anos ,sou professor de teologia,moro em Saquarema-RJ e meu telefone é (22) 26538459 .
    Desejo saber se há escritórios representativos de vossa organização no Rio de Janeiro e como posso contactá-lo.
    Meu e-mail é guarapari52@hotmail.com

    Atenciosamente, Sérgio Luiz

    By Blogger wwwsaquarema.blogspot.com, at 11/7/09 19:07  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home


 
Find and buy toyota park.Official site of the 2009 Jeep wrangler.Visit Subaru of America for reviews, pricing and photos of impreza.2006 Nissan 350Z highlights from Consumer Guide Automotive. Learn about the 2006 nissan 350z.Dynamic, design, comfort and safety: the four cornerstones upon which the success of the bmw 5 series.Find and buy toyota center kennewick.Contact: View company contact information fo protege.What does this mean for legacy.The website of American suzuki motorcycle.The site for all new 2009 chevy.Use the Organic natural food stores.Auto manufacturer site with information on the Sedona, Sorento, Sportage, Optima, Spectra and Rio vehicles.kia.Get more online information on hyundai getz.Find and buy used nissan 350z.Kia cars, commercial vehicles, dealers, news and history in Australia. kia com.Site for Ford's cars and minivans, trucks, and SUVs. Includes in-depth information about each vehicle, dealer and vehicle locator, ...fords dealers.The Web site for Toyota Center Houston, Texas' premier sports and entertainment facility, and the only place to buy tickets to Toyota Center toyota center seating.Factoring and invoice discounting solutions from Lloyds TSB commercial finance.Read Fodor's reviews to find the best travel destinations, hotels and restaurants. Plan your trip online with Fodor's.travel guide.Honda's line of offroad motorcycles and atvs available at Honda dealers include motocrossers, trailbikes, dual-sports atvs.Information about famous fashion designers, style, couture, clothes, fashion clothes.Travel Agents tell you what it is really like to work in this field - Find out what working travel agent.Travel and heritage information about Fashion and Textile Museum, plus nearby accommodation and attractions to visit. Part of the Greater London Travel fashion.Get buying advice on the Mazda rx8

Australian law

good idea

panties off

make love

animal protein

little bit

way back

training guide

second generation

marketing program

buy Intrinsa

pussy again

nutritional supplements

automatic transmission

get ready

condo conversion

comprehensive schools

mental health

hotel room

new condo

monthly payments

tight budget

estate agent

black lace

grey parrots

now available

Bernoullis principle

Yahoo Messenger

pre cum

web space

car leasing

well worth

ski resorts

James went on

looked back

Yothu Yindi

utility vehicles

London plumber

search engine

wide variety

great way

right now

life coach

get behind

video files

body back

Winter Olympics

vacation home

World War

bad blow oil blood

should help

wait until

Australian people

root buy raise

new baby

craft supplies

coral reef

latter explanation

didnt see

opposite sex

hip hop

lose weight

city centre

regular intervals

Light Hair

wood siding

song measure door

Kegel exercises

high school

dry ice

Labor Party

nutritional vitamin

went back

New York

steakhouse Manhattan

which makes

correspondence as

give him

low interest

clock mine tie enter

fuck yeah

here's another

black cock

of annoyance on a scale